Marqueteiro da campanha presidencial de Dilma Rousseff (PT-RS) e Presidente do Brasil nas horas vagas, Lula da Silva não se cansa mesmo de aprontar das suas. Não bastasse inchar a máquina pública, tornando novamente o Governo Federal um elefante branco, e promover programas de crescimento que não crescem nem nos números dos resultados obtidos, ele agora decidiu entrar de vez em uma campanha antecipada, algo proibido pela lei que rege os brasileiros, mas que parece não o atingir.

O Presidente, que não mede esforços para montar uma campanha plebiscitária, age em diversas frentes, a fim de esvaziar outros possíveis candidatos, como o Deputado Federal Ciro Gomes (PSB-SP) e a Senadora Marina Silva (PV-AC), afim de que sua base tenha um só candidato. Ele sabe perfeitamente que todo e qualquer candidato que surja dentro da base é um tiro na candidatura da Ministra da Casa Civil. Isso porque é notório que Dilma Rousseff não reúne característica políticas capazes de torná-la empática diante do eleitorado.

Dilma Rousseff é uma mulher com uma capacidade técnica invejável no que tange assuntos relacionados ao setor energético. Mas para aí. Tanto que fez um relativo bom trabalho à frente do Ministério de Minas e Energia, quando Lula sonhava em fazer de José Dirceu seu sucessor, antes do Ministro ter que responder judicialmente pelo escândalo do Mensalão (lembra-se?). Mas Dilma não é política, é técnica. De uma hora para a outra, Dilma Rousseff foi retirada do Ministério de Minas e Energia, e alocada na Casa Civil, para fazer a articulação política do governo. Mas seu jeito demasiado rígido fez com que o Presidente da República criasse mais um Ministério, o da Articulação Política, entregue inicialmente a Aldo Rebello (PCdoB-SP), e deslocou sua ministra para uma função de gestora nacional, função, aliás, que é do Presidente da República, e não de um ministro.

Foi aí que surgiu o famigerado PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) que prometia investimentos da ordem de R$ 500 bilhões em infra-estrutura, melhorando a matriz logística do Brasil, que é deficiente, o que acaba encarecendo o nosso produto no mercado internacional. Isso sim seria uma coisa louvável feita por parte do governo do Brasil. Só que ficou bonito falar em PAC, e acabou tudo em uma das maiores desvirtuações da história do Brasil. É PAC da saúde, PAC da educação, PAC até das cidades históricas, tudo muito bonito no papel, mas sem aplicabilidade prática, visto que cerca de 7% saiu do papel, e destes, a grande maioria encontra-se em atraso. O que acontece aqui é exatamente o que eu falei há alguns textos atrás, neste blog, sobre o porquê do sucesso do “Choque de Gestão” do Governador de Minas Gerais, Aécio Neves, copiado por outros governos estaduais, como o de José Roberto Arruda, no Distrito Federal. Ocorre que para um planejamento virar realidade, ele precisa de mecanismos claros, que indiquem o caminho que se deve seguir para se atingir o grande objetivo, que no caso de Minas é tornar o estado mais eficiente, chegando realmente às vidas das pessoas. O problema do PAC é justamente esse. Entende-se o problema e vislumbra-se um grande objetivo, que é a correção desse problema, gerando benefícios para o país (Isso no primeiro PAC, o real, não nos seus sucessores, fantasiosos). Só isso. Não se mostrou os mecanismos que deveriam ser adotados para atingir a meta. E o programa de aceleração do crescimento encolheu, patinou, empacou. Travaram-se justamente onde travam os mais belos programas de governos da história deste país: Em como fazer a coisa andar.

Portanto, não se trata de dizer simplesmente que o PT não tem candidatos, pois candidato qualquer brasileiro, maior de 18 anos e filiado a um partido político há um ano antes do pleito eleitoral pode ser. O que falta ao PT é um claro projeto para o Brasil. Não adianta sentar-se na cadeira Presidencial do 4º andar do Palácio do Planalto. É necessário, acima de tudo, saber quais os problemas do Brasil nas diversas áreas, como educação, saúde e infra-estrutura, só para ficarmos em alguns exemplos, e ter os mecanismos sérios e claros, que conduzirão os processos e resolverão de verdade as demandas do nosso país.

JK e sua história têm muito a nos ensinar. Um homem que sonhou com um Brasil melhor, mas que tratou trabalhar para fazer seu sonho acontecer. Seu projeto não era ficar no poder, aliando Jesus Cristo a Judas para conseguir isso, mas usar o poder para fazer o que realmente importa a uma pessoa comprometida com seu país em uma república: Entregar algo melhor que quando recebeu. Hoje, o governo do PT entregará um Brasil pior que o que encontrou, com instituições fracas e desacreditadas; Uma massa de pessoas que não sabe o que fazer para viver sem o bolsa-família, já que nunca precisaram dar nenhuma contrapartida para conseguir o recurso, e, desta forma, não procuraram se aprimorar em algum ofício para sobreviver pelo fruto do seu trabalho; Um meio-ambiente degradado, com movimentos sociais, financiados com dinheiro público, destruindo fazendas plenamente produtivas para aparecer, enquanto, ainda com tanta terra improdutiva, a Amazônia continua sendo devastada e arrasada por madeireiras ilegais; Um Sistema educacional fraco, beirando a falência; Um sistema de saúde que nem de longe lembra a gestão do Ministro José Serra, quando as coisas funcionavam; Uma diplomacia que, pela primeira vez na história deste país, sofreu interferência político-ideológica…

Os problemas são muitos que o próximo Presidente do Brasil vai herdar. A vontade de resolvê-los deve partir principalmente de cada um de nós, quando formos depositar nossos votos nas urnas, em 2010. Que Brasil eu quero? Na hora de votar, pense nisso. Seu voto pode mudar o futuro de toda uma nação!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s