Construindo um país: Porque comparar governos não é salutar

Publicado: 08/07/2009 em Política Nacional
Tags:, , ,

Amigos,

 Abaixo coloquei uma fala do Governador de Minas Gerais, Aécio Neves, sobre suas andanças e sobre o projeto político do PSDB para o Brasil:

 “Acho que o objetivo dessas andanças é formatarmos um novo projeto, pelo menos as linhas fundamentais de um projeto que podem levar o PSDB de volta ao governo. E é um projeto que saia dessa bobagem e absolutamente sem sentido de busca da paternidade dessa ou daquela ação. Quem fez mais, fomos nós ou o governo do PT? Todos fizemos no nosso tempo alguma coisa. A população brasileira não quer saber quem fez mais, quer saber o que ficou por fazer. O que nós temos que fazer a partir de 2010.”

 Me impressiona positivamente ver o governador mineiro falar de eras deste modo. A verdade é que a propaganda do PT para manter o eleitorado sob sua égide baseia-se exatamente na comparação errônea de eras. Com o intuito de fazer o eleitor pensar que o atual governo trabalhou mais pelo país, o PT compara a gestão do Presidente Lula da Silva à do Presidente Fernando Henrique Cardoso. Ora, é um absurdo traçar este paralelo, principalmente porque:

 1 – Quando assumiu a Presidência da República, em 1995, Fernando Henrique tinha em suas mãos um país extremamente desorganizado do ponto de vista da administração pública federal, e totalmente desacreditado do ponto de vista internacional, num mundo que ainda processava as mudanças de ordem política causadas pelo fim da guerra fria, em 1991. Estavam todos ainda sem saber como se reorganizar, e o Brasil tinha saído de uma ditadura militar há dez anos, e de uma crise institucional gravíssima há dois. Some-se isso ao péssimo estado das finanças e da economia, e teremos o pior cenário que um político encontra. Aos poucos, com o Plano Real, e com a reorganização da Administração Pública Federal, as coisas foram melhorando. As crises da Rússia e dos Tigres Asiáticos balançaram muito as estruturas ainda frágeis do país. Foi inevitável a crise brasileira em 1999, mas as ações foram logo tomadas, e com trabalho, o problema foi solucionado. (Só para termos um parâmetro, a Argentina insistiu na paridade cambial, e sofreu uma crise muito maior em 2001, da qual ainda não se recuperou). O governo do Presidente Fernando Henrique fez muita coisa, mas não tudo, claro, pois tudo na vida é uma construção, como um tijolo que devemos colocar diariamente na história de cada um de nós. Assim também se faz um governo.

 2 – Quando tomou posse o Presidente Lula da Silva, o país estava organizado, com fortes instituições, e com uma base econômica sólida, devido às leis que se produziu para proteger e regular o sistema financeiro nacional (Aqui serve de parâmetro os EUA, que desmoronaram, arrastando o mundo junto, com uma crise financeira em que, se houvesse regulação por parte do governo, jamais teria tomado estas proporções). A área social do Brasil teve sua base toda preparada com ações eficientes da socióloga Ruth Cardoso, primeira-dama do Brasil entre 1995 e 2003. Foi uma questão apenas de dar seguimento aos programas criados por ela. Não obstante isso, Lula da Silva viveu em um verdadeiro “céu de brigadeiro” de 2003 a 2008, visto que assumiu um país extremamente bem posicionado no jogo internacional, e não enfrentou até 2008 nenhuma crise internacional, seja ela financeira, institucional ou de qualquer ordem. Realmente era preciso repensar o sistema elétrico do Brasil, que entrou em colapso em 2001, no final do Governo de Fernando Henrique, e isso foi feito sob o pulso forte da então Ministra de Minas e Energia, Dilma Rousseff. Era preciso também resolver o problema do gargalo logístico do Brasil, e então criou-se o PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), que mais tarde se revelou não mais que um programa eleitoreiro, quando começaram a fazer desta sigla mote para todo conjunto de ações nas diversas áreas, como educação, saúde e segurança pública, por exemplo. E o importante mesmo, que eram as obras que resolveriam o problema do escoamento da produção brasileira, principalmente de grãos, ficou em segundo plano, com obras totalmente atrasadas, tendo algumas ainda apenas no papel. No plano político, o maior poder da República, o legislativo, foi aos poucos, desde 2003, sendo esvaziado e desacreditado, tamanha é a interferência do executivo, e, há alguns anos, também do judiciário, que passou a praticamente legislar pelo Congresso Nacional, interpretando leis e criando jurisprudências. Vieram à tona sucessivos escândalos envolvendo parlamentares, principalmente ligados ao governo, que sempre pos panos quentes, ao invés de usar sua influencia para punir os responsáveis, e fazer da “casa do povo” algo respeitável, como outrora já fora. Enfim, aos poucos, o Presidente Lula da Silva também vai colocando seu tijolo na construção de um país tão bonito quanto complicado. Com erros e acertos, como todo mundo.

 Para Concluir, só me resta dizer que não adianta ficarmos disputando quem fez mais pelo Brasil, pois, cada um, ao seu tempo, e com as condicionantes do momento, faz o que é possível. Em outras palavras, cada um faz o que dá. E a visão do Governador Aécio Neves vai ao encontro disso, pois pensa em um modo de colocar mais um tijolo nessa construção, e não apenas ficar apontando erros do passado, que, na realidade, precisam de ações para serem corrigidos, e não dedos para serem apenas apontados.

 Talvez por isso a política seja tão encantadora, pois todo homem a tem em seu ser, em maior ou menor grau, e a usa para implementar ações que culminem na melhora da qualidade de vida da comunidade em que vive, o que, em ultima instância, gera melhoria em sua própria qualidade de vida.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s